quinta-feira, 3 de novembro de 2011

0

Dicionário Parte II

“Onde que eu tiro o meu piso?” = PIS (agora se quer realmente tirar o piso, faça isso com o da sua casa)

“Onde eu pego a segunda via da carta da Conceição?” = CONCESSÃO (ou pode procurar aquela ex namorada de nome Conceição e pedir que ela te escreva uma nova carta)

“Como eu faço para ser o Curandeiro do meu irmão?” = CURADOR (sugiro nesta situação que vá a um terreiro).

“Eu vim pegar o papel pra viajá.” Até aí a gente entende que ele precisa das telas do INFBEN e HISCRE só que em seguida vem o complemento: “Moço, eu vou para Curitiba, o senhor dá passagem pra lá também?” (E eu nem sabia que o INSS tinha parceria com as rodoviárias!!!!!)

Moço o meu benefíçu está bronquiado. = BENEFÍCIO BLOQUEADO (nesses casos a minha dúvida é se o benefício está com bronquite ou se está chateado com o segurado)
Eu vim aqui hoje tirar o hiscrepe. = HISCRE (essa foi uma procuradora que vivia na APS mas que nunca aprendeu a pronuncia correta, pensei que ela quisesse um “Hiscrepe suíço”


Após a segurada receber a notícia de que sua perícia foi indeferida, eis que ela se levanta, começa a bater na mesa do atendente e gritar para todos no salão ouvirem “Eu sabia, eu sabia, o governo está me usando como bode respiratório!!!”. Na ocasião, logo visualizamos a imagem de um bode asmático, fazendo inalação, ou ainda, um bode estilo Darth Vader....

E o Cadastro Nacional de Informações Sociais? Esse então é o mestre dos mestres das gafes cometidas pelos segurados, já vi inúmeras anotações até hoje das mais inusitadas, vamos a alguns exemplos: QUINIS, KENIS, SENIS, QUENES, SCNIS (???), e teve uma vez que estava assim KNZ onde cheguei a pensar que fosse nome de banda musical, imagine “Com vocês agora o KNZ”......
by Laert

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...